Quinta-feira, 6 de Julho de 2006

Amor, Saudade e Esperança

hummmnbj.JPG


Por uma estrada, um dia,


uma criança Muito loira e risonha, nela andava.


Seu coração, tão cheio de bonança,


O pequenino peito palpitava.


Em uma das mãozinhas segurava um arco de ouro,


E noutra ela trazia


Setas douradas, com que costumava ferir os corações, que sempre via.


A boca cor de rosa, uma canção muito Doce e divina balbuciava.


O canto extasiava o coração.


Era Amor, que cantando, assim passava.


Ele já ia em meio da jornada;


Porém, certa manhã de primavera,


Sentou-se numa pedra dessa estrada,


A meditar no mal que ele fizera.


"Meu Deus!


Com essa minha travessura


Não pensei tanto dano assim causar."


E tendo a alma repleta de amargura, Arrependido,


Amor pôs-se a chorar.


Nesse instante, porém, uma donzela,


que Tinha as vestes verdes cor do mar,


Parou ali.


E a sua voz tão bela


Procurou o menino consolar.


-"Não chores mais, meu anjo, vem comigo, eu sei o que te causa tanta dor.


 por isso que eu venho ter contigo; Enxuga esse teus olhos, Deus do Amor!"


-"Eu queria saber - disse a criança - O teu nome...


Afinal como é então?"


-"Meu nome é lindo, chamo-me Esperança", respondeu-lhe com toda emoção.


-"Quero ir contigo, pela estrada  fora,


Consolar esses pobres corações;


Eles sofrem por tua causa agora e choram as perdidas ilusões".


E os dois partiram, com as mãos unidas, Sorrindo ia a Esperança a consolar.


Caminhavam assim, por avenidas, que Um sol ardente vinha iluminar.


Por muito e muito tempo eles andaram, Até que enfim, em uma encruzilhada,


Cansados, Esperança e Amor pararam, Estavam quase ao término da jornada.


Ali tudo era belo... Bem distante Erguiam-se montanhas azuladas.


Aos seus pés, a água clara e murmurante Passava sob as flores perfumadas.


Traído Amor e a Esperança, Embevecidos céu de anil ficaram a fitar.


E como ambos estavam distraídos, não Sentiram alguém se aproximar.


"Aqui estou eu", falou uma voz dolente Que também traduzia a ansiedade,


"Meu nome é triste - disse docemente - Mas é bem lindo, eu sou a Saudade.


- "Os corações, que tu Amor, feriste, Agora estão cansados de chorar".


- "Tu, Esperança, tanto os iludiste!... Pra que foi que os fizeste em vão sonhar?"


-"Ficai! Que junto aos pobres desgraçados Saberei preencher vosso lugar".


-"Eles hão de sorrir mais consolados; Junto deles eu sempre hei de ficar".


-"E há de então repassar-lhes pela mente o passado, que outrora os fez sonhar.


-"Quem sabe se mais lindo e mais sorridente,


Porque com Saudade hão de evocar!" Assim é a vida.


Amamos e sentimos A Esperança afagar o coração;


Porém bem cedo nos desiludimos.


Junto a nós Saudade fica então.


( Diléia Prado)


publicado por pura às 00:30
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 5 de Julho de 2006

Eu sinto...

Eu sinto que o tempo passou, mas eu não vivi.
A vida passou por mim.
As horas, dias, anos.
Passaram.
E eu não vivi.
Não percebi a importância de viver.
Simplesmente me deixei levar.
E agora me sinto perdida.
Diferente.
Incompleta.
Me falta tanto.
E eu sinto a falta.
De ter brincado.
De ter arriscado.
De ter vivivo.
Me sinto uma pós-adolescente,
com ingenuidade quase infantil,
e expectavivas juvenis.
Me falta a experiência da vida.
Sim, eu errei, e aprendi com os erros.
Mas não foram muitos.
Só erra muito quem vive.
E eu somente me deixei levar.
Sim, eu cometi erros.
Muitas vezes grandes.
Destes erros eu tirei alguma lição.
Mas me faltam erros.
Preciso errar mais, aprender mais.
Preciso viver. Muito.

Mário Quintana
publicado por pura às 00:37
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Segunda-feira, 3 de Julho de 2006

Decepção

Sabe quando pessoas que você julgava te amar, se voltam contra você?
Pois, é, foi isso que me aconteceu.
E eu fiquei muito mal, mas muito mal mesmo.
Eu fiquei péssima.
A tal ponto de começar a me questionar como pessoa, como indivíduo pensante e atuante no mundo.
Coloquei em dúvida a minha capacidade de discernir as pessoas, e pior de discernir a vida.
Eu cheguei ao ponto de achar que, na realidade, nem sabia viver.
Pois tudo aquilo que eu acreditava ser verdade, de um momento pro outro, tranformou-se numa grande mentira, numa falsidade enorme, e eu desabei, por não ter percebido nada antes.
Eu comecei a achar que, se eu fui enganada naquilo, eu poderia estar enganada em todo o resto.
Ah, como eu sofri!
Como é difícil, você se olhar no espelho, e não ver aquela que você pensava que era mas, ao contrário ver uma estranha, burra e tapada, que acredita em tudo que vê e ouve, sem conseguir separar a verdade, da mentira...
publicado por pura às 22:20
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 2 de Julho de 2006

Liberdade ou Prisão

Mesmo que seja uma ânsia esperar por ti,
Arriscarei e vigilante ficarei.
Mesmo que seja viver na saudade,
Aguardarei dia-a-dia, sem pausa,
sem parar, sem liberdade...
Porque é melhor sentir tua falta
do que nada sentir. Do que o vazio que
tua ausência me traz
Porque é melhor esperar,
que nada ter e não viver.
Porque é melhor amar um sonho,
do que não tê-lo sonhado, nem experimentado.
Porque é melhor amar e não ter,
do que não amar o pouco que tenho de ti.
mesmo presa à essa paixão,
mesmo que a liberdade diga não...
publicado por pura às 22:18
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 1 de Julho de 2006

Distância

Eutu.jpg



O que é distância pra você? Nada pra mim. Quando alguém vive em você, quilômetros são só quilômetros. São apenas números escritos em branco em plaquinhas verdes pela estrada. Não muita coisa. Não grande coisa. Nada. Nada. Nada. Quilômetros não roubam a importância das palavras. Não roubam o carinho, não roubam os sorrisos, nem os pensamentos. Não roubam a luz que acende quando tudo que se quer é a felicidade de outrem. Perto ou longe não tem valor..

publicado por pura às 22:16
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Tanto tempo ...

. POEMA DA SOLIDÃO

. ....

. Como não podia deixar pas...

. As melhores de Zezé di Ca...

. Medo da chuva - Zezé di C...

. Tarde de mais - Zezé di C...

. Agata - Sozinha

. Anjos e a "Vingança"

. Ao Telefone!

.arquivos

. Agosto 2011

. Outubro 2009

. Dezembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds